Cultura de Ódio – A mídia enquanto sacerdote

  • Elves Santos
  • 20 dez 2021

Certa vez o padre Royo Marín fez a seguinte afirmação: nós não estamos passando por uma crise política, mas sim por uma crise de Santos. Dito em outras palavras, estamos vivenciando uma crise de pessoas que não sabem amar. O tempo todo estamos nos comparando, uns com os outros, com nosso passado e até mesmo nos comparando com situações futuras. Segundo, Heidegger  [1]HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Maria Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes. 4 ed, 2009  , o  nosso “ser comunitário” Miteinandersein, espelha-se sem cessar uns nos outros. Pegamos emprestado gestos, opções, gostos, modos de agir e pensar; é uma “contaminação perpétua”. Diante disso, surge-nos uma pergunta: como me distingo dos outros? Como tentativa de responder esta pergunta Heidegger afirma que a vida do homem está acontecendo entre dois polos, o “ser” e o “dever serDaisen. O constante atrito que surge da tensão entre esses dois polos é o que garante ao homem a manutenção da sua individualidade.

Partindo desta situação existencial, de que estamos o tempo todo nos comparando com os outros e que esta comparação nos modela, quando nos encontramos com o outro, verificamos que estamos diante de um ser, com qualidades, virtudes, ações e defeitos. Dito isso, abre-se uma possibilidade de interpretação: ou o admiro como igual a mim ou superior a mim, e termino por amá-lo; ou invejo-o profundamente e termino por odiá-lo. O encontro com nossos iguais, ou superiores, termina no amor ou na inveja, e, posteriormente, no ódio. Imagine um mundo onde se ganha pontos por odiar um, amar o outro –  e vice-versa – , assinar reputações e, até mesmo, cometer homicídios, tudo isso em busca de um “bem maior”,  “combater fake news” e “ atos antidemocráticos”. Imaginou? 

Esse mundo que de imaginário não tem nada, caminha a passos largos para sua total consumação, com o apoio incondicional das classes intelectuais, religiosas e meios de comunicação. Guardada as devidas proporções, as mídias sociais assumiram o papel que antes pertenciam às Ágoras, como palco de discussões e encontros das classes falantes da época. Após a Primeira Guerra mundial, com o fim formal das monarquias, instauram-se as democracias – que por natureza é um regime fundado em torno da massa, da opinião pública e do Estado laico. Dessa forma, a função sacerdotal é usurpada das mãos da Igreja e passam a fazer moradia nas redações de jornais. 

A mídia – sacerdotisa tem sua própria doutrina, ritos de purificação e expurgo; interpreta os fatos segundo seu próprio interesse como numa paródia demoníaca do Sagrado Magistério. Ditando no coração desatento do homem moderno o que deve sentir, qual tipo de percepção ele deve ter diante dos fatos ( vai acreditar em mim ou no que os seus olhos estão vendo?), em suma, a pregação falada nos púlpitos virtuais é a do anti-amor. A mídia faz esse papel de mediador, usando palavras vazias, dando novos conceitos a palavras já existentes, mantendo atual o “index”, porém, desta vez, não são somente livros que são proibidos de serem lidos, mas pessoas, grupos e ideias.

Através da mídia, o ódio passou a ser um objeto de culto, organizado e propagado sistematicamente. Esse ódio passa a ter algumas características específicas como: a) o objeto, pessoa ou ideia, deve ser detestado de modo tenaz visando sua total aniquilação, vide a “cultura de cancelamento” – que não é nada mais do que uma tortura virtual; b) o ódio é justificado “cientificamente”, pois a mídia fala em nome da verdade e não admitem “fake news”; c) distorcer fatalmente a verdade e cultivar de maneira perene meias-verdades; d) rebaixar pessoas e classes em detrimento dos vigários – midiáticos, pois eles, sim, são os porta- vozes da Revelação.

Para concluir, termino com um trecho de Gabriel Liicceanu: “ Numa sociedade atomizada e desunida, em que a admiração está em vias de desaparecer, o sucesso de alguém já não pode ser avaliada em termos positivos, o ódio é que passa a ser o sucesso; é odiado, logo, existe.” [2]LIICEANU, G. (2014). Do Ódio. Campinas: Vide Editorial.

 

 

References

References
1 HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Maria Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis: Vozes. 4 ed, 2009
2 LIICEANU, G. (2014). Do Ódio. Campinas: Vide Editorial.
Elves Santos

Elves Santos é natural de Alagoinhas, Bahia. Aluno do professor Olavo, graduando em Psicologia e entusiasta da Psicologia Cristã Oriental.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico