A presença do ser como condição para a significação – Parte III

  • Isaac Denyon Fonseca
  • 11 mar 2022

Podemos ver uma aplicação desse nível discursivo usando como base o livro Senhor dos Anéis:

 

  . Tema da escravidão (ou da dominação) e a exploração dos mais fracos pelos mais fortes.

  . Tema dos desejos mundanos de poder ou da exploração dos desejos para fins de auto satisfação.

  . Tema da passagem da inocência para a maturidade da vida adulta ou da perda da visão de mundo da criança e do jovem – momento em que Frodo assume a responsabilidade da destruição do Um Anel, e, com isso, abandona a visão limitada de mundo do condado.

  . Tema psicológico da dialética trágica entre a passagem da criança para as cargas de responsabilidade que o homem deve ter.

As abstrações temáticas são materializadas em diversas formas – que são chamadas de investimentos figurativos. Esses investimentos são particularizados por traços de oposições: sensoriais, espaciais e temporais. No texto, elas se manifestam como liberdade da dominação.

Apenas para citar alguns exemplos de como se dar o funcionamento dessa estrutura: 

  . Traço: visual; Dominação: escuro vs Liberdade: claro

  . Traço: tátil; Dominação: fadiga vs Liberdade: descanso

  . Traço: visual; Dominação: feiura vs Liberdade: beleza

  . Traço: temporal; Dominação: noite vs Liberdade: dia

  . Traço: espacial; Dominação: fechado vs Liberdade: aberto 

Esses traços são os responsáveis por dar uma determinada ordem nas diferentes leituras temáticas. Podemos então determinar que o traço temporal, por exemplo, revela-se através da forma de fuga – quando, muitas vezes, tanto Frodo como os elfos aproveitam a escuridão para fugir de algum lugar ou situação; já para Sauron, isso aparece como manifestação de seu poder. Com respeito ao nível discursivo, e com base na filosofia de Lavelle, podemos tecer duas observações. A primeira, diz respeito à consciência e dado. Tudo o que chega até nós, seja por meios intelectuais ou pelos sentidos, é dado, ou seja: são coisas que não construímos, mas que já estavam aí.  A consciência, por outro lado, consegue captar, compreender e modificar os dados; porém, perceba que são atividades relacionadas a ações, e que não poderiam existir sem um dado que serviria de motivo para sua iniciação.

Portanto, Lavelle chega à conclusão de que a consciência só pode existir como ato. Caso assim não fosse, haveria uma enorme possibilidade de que a consciência pudesse se confundir com o dado, ou seja: um sujeito não poderia saber quando está buscando entender um objeto, ou se reconhecer como uma consciência que age. A consciência, porém, é capaz de muito mais do que saber a diferença entre ela e objeto – pois ela pode realizar ações dentro da esfera do dado, modificando-o. Portanto, o alcance da consciência está no nível da realização de ações na realidade.

Voltamos, assim, a uma observação que já foi realizada nesse texto: cada decisão que tomamos, por exemplo, para tentar entender algo, é uma escolha interior feita pelo eu. Esse elemento de decisão e vontade, subjacente ao ato, é inseparável de seus elementos cognitivos, afinal: tentamos conhecê-lo porque queremos. Essa busca contém uma dualidade que não pode ser quebrada, pois as decisões são sempre baseadas em valores – que descobrimos em nós mesmos ou no mundo. A dimensão moral da análise é inseparável da dimensão cognitiva. Também podemos acrescentar o comentário de Carvalho de que isso coloca a questão em uma nova direção; segundo este, acreditava-se que valores não poderiam ser inferidos de fatos e vice-versa – conceito esse que foi estabelecido por Kant, mas que , como foi demonstrado, torna-se inviável perante Lavelle.

Fica claro então que os valores, advindos da análise discursiva, são apenas o resultado de ações realizadas pelas consciências – e como tudo pode ser graduado, com exceção da existência, os atos praticados em uma narrativa produzem valores, ou seja: ela tem um caráter ontológico. Podemos, em uma narrativa, aproveitar não apenas seu aspecto mais explícito, mas também implícito, ou seja: aspectos que se encontram na vontade de cada personagem, de cada eu que produz uma ação. O nível discursivo busca os aspectos pelos quais a motivação de um determinado sujeito produz determinado valor, e quais seriam esses valores – e como toda ação é também uma ação moral, torna-se  possível caracterizar tais atos, entendendo como esses valores se comportam em determinadas situações, com diferentes sujeitos.

Por fim, achamos necessário realizar uma análise com o PGS. Desta forma, ficará mais claro o poder que esse método possui para descrever, e explicitar, uma determinada narrativa – assim como a capacidade da filosofia de Lavelle em potencializar as motivações.

Três Anéis para os élficos reis sob o céu, Sete para os Anãos em recinto rochoso, Nove para os Homens, que a morte escolheu, Um para o Senhor Sombrio no espaldar tenebroso Na Terra de Mordor aonde a Sombra desceu. Um Anel que a todos rege, Um Anel para achá-los, Um Anel que a todos traz para na escuridão atá-los Na Terra de Mordor aonde a Sombra desceu“. [1] Box O Senhor dos Anéis. HarperCollins. Pág. 10 No nível das estruturas fundamentais, é possível reconhecer que o poema se estrutura a partir das seguintes oposições:

Este conteúdo está bloqueado

Assine agora ou faça login para desbloquear o conteúdo!

References

References
1 Box O Senhor dos Anéis. HarperCollins. Pág. 10
Isaac Denyon Fonseca

Isaac Denyon Fonseca, natural de Teresina, Piauí. Bacharel em Jornalismo e Licenciando em Língua Portuguesa/Inglesa. Estudante da obra de Mário Ferreira dos Santos e Louis Lavelle.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico