Corrompimentos modernos: filhos que mandam, pais que obedecem

  • Willian Santos
  • 23 mar 2022

Este texto será o primeiro de uma série de quatro artigos onde irei analisar alguns problemas atuais na vida de adolescentes em relação à família, sociedade e educação. Não sei quanto a vocês, mas eu fui criado desde muito cedo com a plena consciência de algo – do qual, aliás, meu pai deixava bem claro: “Eu não sou seu amigo, eu sou o seu pai”. Assim, desde pequeno, eu entendi qual era a hierarquia de autoridade dentro da minha casa. Por mais que eu tenha sido um adolescente rebelde, eu nunca levantei a voz para o meu pai, senão uma vez e me arrependi muito por isso – sentindo literalmente na pele o arrependimento. O que vemos hoje são os pais moderninhos que tiveram a sua adolescência nos anos 90 ou 80 – década de liberdade e era inicial da Malhação, com todos os valores corrompidos e a tal “liberdade sexual juvenil”, novidade nas telas da TV brasileira, e seriados teens. Os anos 80 foram o início dos seriados e filmes voltados para adolescentes.

Os filmes do diretor Jhon Hughes [1] John Hughes foi um diretor americano que iniciou o tema de filmes que se passam em colégios e universidades com os dramas da adolescência.   dominavam as telas, filmes esses que mostravam todo o “poder” dos adolescentes e como ser adulto era chato. Esses adolescentes dos anos 80/90 cresceram e tiveram seus filhos; começaram a educá-los com aquilo que tinham em seus imaginários. Adultos que odeiam a maturidade, adultos que ainda vivem os velhos tempos, como se fossem hoje, e veem nos seus filhos aqueles amigos dos “tempos dourados”; veem em seus filhos aquele espírito juvenil – para mostrar a “boa música” de sua época, e ser confidente de seus segredos amorosos.

Com isso, os pais acabam tirando sua própria autoridade de pai e mãe, rebaixando-se a simples amiguinho de colégio do filho – e estes, sem a autoridade paterna, acabam vendo eles próprios como autoridades. Já presenciei situações onde o filho de 14 anos colocava o próprio horário para permanecer em um jogo online, enquanto o pai simplesmente dizia: “ Está bem, depois você desliga”. Com isso, os pais acabam criando filhos arrogantes, preguiçosos, que se acham a autoridade máxima não somente de suas vidas, mas da vida dos outros. Para essa geração de adolescentes, todos são iguais e todos podem opinar sobre o que quiserem, tentar tudo o que quiserem.

Esses jovens não são mais como os adolescentes do século XX, aos quais desprezavam totalmente os seus pais, porque viam neles aquela autoridade a qual desprezavam. Hoje em dia, eles colocam os pais em patamar igual aos deles, e , às vezes, colocam-se , até mesmo, acima dos próprios pais. Para estes jovens, o que importa é a imagem nas redes sociais, assim como o número de seguidores; o que importa é parecer ser. Eles não querem mais aprender com os mais velhos, porque os mais velhos não entendem de redes sociais igual; os mais velhos se colocaram em um patamar de amigo divertido e compreensivo dos filhos. 

Os mais velhos se colocaram em um patamar de amigo divertido e compreensivo dos filhos. Não existe mais hierarquia. O que temos hoje em dia são filhos mandando nos pais, filhos que colocam os pais no patamar de amigos, e pais que deixam isso acontecer, porque, afinal: “o que podemos fazer? A internet acaba os estragando”, “ o que podemos fazer? Eles já nascem sabendo tudo através da internet”. O que eles podem fazer? Que tal ser pais de seus filhos? Que tal cumprir o seu papel social de pai e mãe? Que tal se a autoridade do seu lar for você, pai e mãe, e não o seu filho?  

O professor Olavo de Carvalho já tinha avisado o efeito disso em seu artigo “Jovens paraenses”. Olavo diz o seguinte: “O efeito disso é que milhões de jovens, incapacitados para perceber as mais óbvias realidades, se creem investidos do direito divino de julgar todas as coisas, homens e fatos”. [2] Olavo de Carvalho. Jovens paranaenses. Disponível em: https://olavodecarvalho.org/jovens-paranaenses/  Esse “direito divino”, dado muito das vezes pelos próprios pais, acaba gerando filhos que mandam e pais que obedecem. Uma geração toda formada por adolescentes que sabem de tudo, simplesmente por ter acesso a internet, e pais fracos – que deixaram a sua autoridade de pais de lado para tentarem ser amigos daqueles aos quais deveriam ser tratados como filhos.

Sem a autoridade acabamos sem ordem, pois é da formação da autoridade que percebemos a ordem. Filhos obedecem aos pais e pais corrigem os filhos.  Um lar saudável é um lar onde predomina a autoridade dos pais e o ensinamento das virtudes para os filhos, pois: “sem orientação e correção, crescem as crianças estragadas e viciosas; enquanto os frutos de virtudes sazonam nas que tiveram o cultivo dos educadores“. [3] Monsenhor Álvaro Negromonte. Corrija seu filho – A Formação do Homem. Pagina 12. Calvariae Editorial. São Paulo. 2019 Esses frutos de virtudes só podem aparecer se os pais entenderem o seu papel social, e também começarem a entender a seguinte coisa: nada daquilo que foi bom pode ser deixado para trás, esquecido no passado. Assim, podemos perguntar a esses pais se eles tornaram-se adultos com os seus pais sendo amigos deles.

Os pais de hoje, em sua grande maioria, tiveram pais que entendiam a autoridade – sabiam a importância da hierarquia dentro de uma casa -, mas que, ao mesmo tempo, estavam consumindo o tipo de entretenimento ao qual mencionei no início do artigo. Isso fez com que prevalecesse, em seu imaginário, a visão de estarem consumindo apenas entretenimento, e não o exemplo da autoridade dos pais. O adolescente, por mais que não demonstre, pede, e sempre irá pedir, por autoridade – é uma questão natural. Quando essa autoridade desaparece o que esses jovens fazem é tentar achar um bode expiatório – e nisso surge o bullying, o cyberbullyng, e todos esses fenômenos aos quais tanto se fala na atualidade e pouco se sabe de suas origens. [4] Mas isso é tema para outro artigo.  

References

References
1 John Hughes foi um diretor americano que iniciou o tema de filmes que se passam em colégios e universidades com os dramas da adolescência.
2 Olavo de Carvalho. Jovens paranaenses. Disponível em: https://olavodecarvalho.org/jovens-paranaenses/
3 Monsenhor Álvaro Negromonte. Corrija seu filho – A Formação do Homem. Pagina 12. Calvariae Editorial. São Paulo. 2019
4 Mas isso é tema para outro artigo.
Willian Santos

Formado em Moda, trabalhei com Moda por 8 anos; depois, dediquei-me a estudar sobre a adolescência como um fator cultural e social. Formação em Psicoterapia. Estudei Psicologia da Adolescência na Fundación Centro Psicoanalítico Argentino; aluno da Certificação Italo Marsili. Mentor do Núcleo de Formação de Jovens.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico