As Camadas da Personalidade como modelo integrativo da vida intelectual – Parte III

  • Isaac Denyon Fonseca
  • 6 jun 2022

O Ser é o objeto universal; portanto, em qualquer consideração, ele será sempre o primeiro termo. Isso deve ser assim, pois qualquer outro sempre irá expressá-lo – limitando-o. É possível assumi-lo pela simples existência das coisas – já que algo há. O Nada Absoluto não pode gerar nada, logo algo sempre houve e sempre haverá. Exigir que as coisas tenham vindo do zero é não considerar que ao nosso redor há algo – e é o indivíduo que está pensando nisso; contudo, já que as coisas possuem as suas formas de existência, sempre houve a própria existência. Ver-se, assim, que não pode haver saltos no Ser – e, dessa forma, há, e sempre haverá, algo. 

TESE 17 O Ser não pode ter surgido subitamente, pois sempre houve alguma coisa.

§ 1. Não pode haver passagem do nada ao ser, consequentemente nem o nascimento do ser

Por não haver espaço para o nada, só podemos compreender os dados do mundo material através de algo; estes dados transformam-se em coisas completamente distintas de qualquer forma de materialidade. Quando compreendemos algo, inteligímos o seu sentido – o nosso ato capta o ato de ser do dado. Tudo, então, centra-se em torno da questão do sentido – e, como ele não pode ser reduzido a algo diferente dele próprio, o sentido é como percebemos a presença absoluta. O homem sempre desejou colocar sentido nas coisas que criava. Esse hábito chega ao seu ápice quando se dá início às criações das grandes obras de arte. Até o século XIX, quando desejava contemplar essas criações, era necessário se dirigir até um castelo, mosteiro ou mesmo uma igreja – lugares aos quais davam a ideia de que aquilo a qual se buscava era precioso, e que, por isso, valia a pena o esforço.

Após esse século, tem início o processo da imprensa e da fotografia – meios que permitiram a reprodução de obras de arte, e aos quais disponibilizavam a um grande público acesso a meios de alta cultura que poucos na história viam. Antes do século XIX, ocorria uma epifania com a pessoa que, em seu esforço contemplativo, buscasse algo artístico; a presença do original marcava a pessoa: a esse evento Walter Benjamin chamou de “aura”. Esse conceito possui o seu referente quando um espectador está diante de uma obra de arte única. Porém, ele trata-se mais do que um conceito; é uma sensação, algo que somente pode ser vivenciado naquele momento e naquele instante de espaço e tempo. O sentido da transcendência, da forma como a arte única contemplada, eleva o homem naquele instante de tempo – e é um dos sentidos a que podemos dar a “aura”. Temos, então, a ascensão da tecnologia reprodutiva das obras de arte.

Obras que antes eram escondidas, e preservadas, aos olhos de grandes públicos, hoje são expostas em toda categoria de tecnologia – das maneiras mais variadas possíveis. Com isso, cria-se um processo de proporcionalidade: ao ganhar fama pelo processo de reprodução, a obra perde a sua “aura”, e, na demanda, muitas vezes as cópias têm o mesmo valor que o original. Benjamin observava nisso não um problema necessariamente, já que esse processo poderia levar a uma revalorização da obra original; porém, na Modernidade, a noção do que seja original é um tanto complicada. Um filme não possui original, já que a primeira cópia já é uma reprodução. Assim, não existe o fenômeno da aura na Modernidade.

A experiência artística do homem moderno dá-se com as reproduções técnicas – em outras palavras: através da cultura de massa. Esse entendimento tem o seu início a partir da ideia de ‘vitrine’. A ‘vitrine’ foi criada na França, para exibir produtos de luxo; nela, não se coloca  qualquer produto à mostra do público, mas apenas aqueles bonitos e instigantes; criada no século IX, a relação entre cliente e mercadoria seria modificada desde então. Quando se passa por uma ‘vitrine’, não se contempla um produto pela sua funcionalidade – ou pelo valor que possui -, mas pela imagem exposta. É através da imagem exposta que uma mercadoria abre caminho para poder ser divulgada nos meios de comunicação.

Este conteúdo está bloqueado

Assine agora ou faça login para desbloquear o conteúdo!

Isaac Denyon Fonseca

Isaac Denyon Fonseca, natural de Teresina, Piauí. Bacharel em Jornalismo e Licenciando em Língua Portuguesa/Inglesa. Estudante da obra de Mário Ferreira dos Santos e Louis Lavelle.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico