A história da Cultura Pop Japonesa

  • Alexandre Nagado
  • 20 dez 2021

 

                              Capítulo I [1]Autoria: Ale Nagado


Inicialmente uma definição para qualquer manifestação vinda do povo e para o povo, o termo “cultura popular” evoluiu a partir do tempo. Tendo surgido no século XIX para definir a cultura, educação e arte das classes mais baixas e sem muita instrução, foi ganhando contornos de mercado. Com a expansão das tecnologias para a reprodução, a cultura foi se tornando também um produto de consumo, criando formas de entretenimento. Assim, foi se tornando cultura de massa, buscando agradar ao maior número de pessoas e encontrando segmentos de mercado. No século XX, a chamada cultura pop se tornou cada vez mais dominante, atingindo todas as classes sociais, ditando modas, comportamentos, e captando anseios do público.

Entretenimento de massas, mas também com segmentos de nichos bem específicos, a chamada cultura pop entrou no século XXI como arma de propaganda de ideais políticos, como negócio multimilionário e também um conjunto de mitologias modernas. É também um elemento importante na chamada guerra cultural e até na geopolítica, na medida em que influencia comportamentos e interesses ideológicos. Grandiosas sagas no cinema, desenhos animados consumidos por crianças, jovens e adultos, games, quadrinhos, séries feitas para a TV ou produzidas direto para streaming, uma infinidade de personagens disputam a atenção de um público cada vez mais ávido por consumo desenfreado.

Em todo o mundo ocidental, a cultura pop é majoritariamente formada por gigantescos grupos de comunicação, com interesses muito além do que simplesmente gerar lucro, mas ambiciona transformar a sociedade. Alheio a tudo isso, um pequeno país do extremo oriente se destaca como um dos maiores produtores de entretenimento global. O Japão, um arquipélago que por muitos períodos esteve isolado do resto do mundo, produz e consome uma enorme quantidade de quadrinhos, animações, séries, games e música – praticamente tudo criado visando apenas o consumo local.

A cultura pop japonesa é um conjunto de mídias com características únicas, sendo as mais importantes o mangá e o animê [2] https://www.blogsushipop.com/post/a-hist%C3%B3ria-do-anim%C3%AA . As histórias em quadrinhos japonesas são chamadas de mangá, um termo que significa “desenhos irresponsáveis”, e remete à sua origem como formas de cartum, charge e caricatura. A palavra foi cunhada pelo mestre das xilogravuras Katsushika Hokusai (1760~1849), mas os registros de desenhos cômicos no Japão são bem mais antigos, com registros famosos no século XII. Em termos arqueológicos, há caricaturas cuja produção é estimada em algum ponto do século VII. Já no século XIX, o contato com cartunistas ocidentais influenciou profundamente os artistas gráficos japoneses, que sofisticaram mais suas técnicas e passaram a criar tiras em quadrinhos.

O século XX viu a transição do mangá, de desenhos de humor, para histórias em quadrinhos, conseguindo cada vez mais sucesso de público. No pós-guerra, o artista Osamu Tezuka (1928~1988) começou a codificar técnicas e experimentações de autores mais antigos, criando histórias de enorme sucesso. Com um traçado expressivo e muita variedade, Tezuka formatou segmentos de mercado e se tornou o mais influente desenhista japonês de todos os tempos. Com um mercado de revistas impressas em preto-e-branco, que vende milhões de exemplares mensalmente, o universo do mangá invadiu o ocidente – derrubando, entre leitores de quadrinhos, até os super-heróis da Marvel e DC – tornando-se o estilo dominante em todo o mundo.

Ainda mais do que o mangá, o animê – desenho animado – conquistou o público mundial. Desde a década de 1960, séries animadas japonesas são exportadas para outros países, geralmente sofrendo adaptações de nomes, como o clássico Speed Racer (1967)-  na verdade o nome ocidental para Mach Go Go Go. De lá para cá, cada vez mais obras foram sendo exibidas, e o advento da internet derrubou todas as barreiras. Em todo o mundo, é difícil encontrar um jovem que não conheça, ao menos um pouco, personagens de obras como Dragon Ball Z, Evangelion, Naruto, One Piece, Demon Slayer e tantas outras. No cinema, críticos já teceram os maiores elogios aos filmes animados de Katsuhiro Otomo, Hayao Miyazaki e Makoto Shinkai.

 

 

 

Este conteúdo está bloqueado

Assine agora ou faça login para desbloquear o conteúdo!

References

References
1 Autoria: Ale Nagado
2 https://www.blogsushipop.com/post/a-hist%C3%B3ria-do-anim%C3%AA
Alexandre Nagado

Alexandre Nagado já foi roteirista de quadrinhos, ilustrador, professor de desenho e editor. Como redator, foi colaborador frequente da revista HERÓI, fenômeno editorial dos anos 90 e escreveu sobre cultura pop e heróis japoneses em diversas revistas e sites.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico