O Homem Ridículo de Dostoiévski na Modernidade Digital

  • Vinícius Barbosa
  • 20 dez 2021

No conto “O Sonho de Um Homem Ridículo de 1877” [1]Fiodor Dostoievski – O Sonho de Um Homem Ridículo. Editora: Antofágica 1ª edição 2021. ,  do romancista russo Fiódor Dostoiévski (1821-1881), o protagonista e narrador é alguém que apresenta, para ser misericordioso, uma visão de mundo caoticamente niilista e deplorável. Quando chegamos ao clímax do conto o personagem tem um sonho e, a partir das reflexões advindas desse sonho, uma epifania existencial lhe toma de assalto, e todas (ou quase todas) as características de conduta desprezíveis desaparecem ou são bastante atenuadas, mas o foco do nosso mergulho será exatamente nessas características miseráveis.

Quem já leu a obra sabe que sua estrutura ficcional é genial e sua estética inebriante – tanto que, a posteriori, intelectuais do século XIX que viriam a se debruçar conceitualmente sobre a temática dos sonhos, como o Dr. Freud [2]Freud – A Interpretação dos Sonhos, Obras completas volume 4. Editora: Companhia das Letras, 1ª edição 2019. (1856-1939), reconheceram o valor que o conto do romancista russo continha não apenas sob os pontos de vista que eu enfatizei, e fiz questão de demonstrar que são nevrálgicos, sem entrar no mérito das conclusões psicanalíticas.

O Homem Ridículo confessa ao leitor partes de sua personalidade, e perspectivas sobre si mesmo, extremamente intimas e nada positivas – como se ele fosse um fiel em um confessionário ou um paciente deitado em um divã de um consultório terapêutico, contando o quão profano ele foi na última segunda-feira (estilística particular da forma doisteviskiana de divagar sobre a psique humana). Isto posto, agora iremos pôr a agulha entre a unha e a carne. Relendo o referido conto de Dostoiévski, eu tenho, nas explanações iniciais sobre o personagem, percepções semelhantes ao reler, apenas a título de exemplo, inúmeros trechos de “A Rebelião das Massas de Ortega y Gasset” [3] Ortega y Gasset – A Rebelião das Massas. Editora: Vide 1ª Edição, 2015. (1883-1955). É como se ambos os autores tivessem escrito as respectivas obras ontem, descrevendo o homem contemporâneo do século XXI com seu iPhone em mãos – porém, com abordagens distintas e analisando aspectos diferentes.

Afirmo aqui que, no início do conto, o Homem Ridículo de Dostoiévski tem uma conduta que, na prática, leva aos mesmos descaminhos do homem da modernidade – mesmo que por motivações diferentes. Todavia, não confundam, tampouco sintam-se ultrajados; eu jamais diria que o cidadão médio tem uma afinidade filosófica consciente com a tradição niilista – que encantou os jovens russos no século XIX – ou que a conduta se aplica, ipsis litteris. A minha afirmação diz respeito às semelhanças práticas entre ambos, que, com uma análise um pouco mais profunda, tornam-se mais palpáveis ao leitor.

Esclarecido isto, demonstrarei de forma análoga em três pontos: o personagem sofre de grande melancolia, comum aos niilistas, e de uma extrema baixa autoestima – paradoxalmente somadas a um sentimento arrogante de quem conhece uma suposta verdade a qual os outros desconhecem, por, supostamente, serem inferiores cognitivamente. Esse tipo de comportamento é percebido quase que instintivamente nas diversas tribos, divididas por algoritmos, que estão presentes nas mídias sociais – onde o cidadão contemporâneo oculta sua baixa autoestima, permitindo que sua individualidade (que tem questões sociais e genéticas singulares) seja absorvida por uma coletividade, que lhe dá um falso suporte psicológico. Coletividade essa que sempre acredita deter uma verdade aquém da capacidade intelectual de outros grupos – seja no âmbito político, social, filosófico, científico institucional, etc.

Este conteúdo está bloqueado

Assine agora ou faça login para desbloquear o conteúdo!

 

 

 

References

References
1 Fiodor Dostoievski – O Sonho de Um Homem Ridículo. Editora: Antofágica 1ª edição 2021.
2 Freud – A Interpretação dos Sonhos, Obras completas volume 4. Editora: Companhia das Letras, 1ª edição 2019.
3 Ortega y Gasset – A Rebelião das Massas. Editora: Vide 1ª Edição, 2015.
Vinícius Barbosa

Vinícius Barbosa, natural de São Paulo – SP. Analista político, estudante autodidata de filosofia, com foco em ética, epistemologia e filosofia política.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico