O terror e o suspense de Edgar A. Poe na cabeceira

  • Vinícius Barbosa
  • 1 abr 2022

Quando nos deparamos com corvos, gatos pretos, ou mansões abandonadas, na literatura e no cinema, um sentimento tenebroso e sutil nos acomete de imediato; percebemos , sem muito esforço cognitivo, que aquele sentimento foi causado exatamente pelos símbolos  -contudo, não sabemos o porquê. Não seria rigoroso e justo não creditar que uma parte dessas superstições viera do fim da Idade Média, início do Romantismo e até do Renascimento, mas antes do americano Edgar Allan Poe(1809 – 1849), no século XIX , nenhum outro autor dedicou sua obra inteira aos gêneros de terror, suspense e policial,  utilizando artifícios simbólicos, psicológicos e literários, que nos causassem um imprinting tão intenso – ao ponto de perfurar a bolha minoritária um pouco mais culta e atingir, por exemplo, um episódio de Os Simpsons [1] Os Simpsons – A Casa da Árvore dos Horrores, Temporada 2, episódio 3, FOX, 1990. , o filme O Corvo [2] O Corvo, Relativity Media 2012, Direção James McTeigue. , etc.

Antes dele, alguns poetas, e romancistas, escreveram alguns contos e poemas de terror e suspense; porém, nenhum deles conseguiu manusear esses gêneros com a maestria do americano Edgar. O fato é que nenhum autor anterior teve tamanha relevância nessa área, com exceção para a Mary Shelley (1797 – 1851) , que, anos antes, escreveu o clássico Frankenstein (1818) – ao qual, pelo nosso interesse no avanço tecnológico, a obra hoje é popularmente conhecida pelo prisma da ficção científica, enquanto os seus aspectos de drama, e de terror gótico, são levados em conta apenas pelos poucos sobreviventes do Tsunami de Ignorância que assola o Brasil. Mas, ao contrario do Frankenstein, a obra do Poe não tem ligação com o sobrenatural (ou o imaterial) que não seja alegoricamente, pois ele captou um terror bem mais próximo.

O poema O Corvo (1845), trata de um homem na agonia do luto, submerso na melancolia e esmagado pela angústia, e que, ao receber uma visita inesperada de um corvo, tenta extrair inutilmente algo do agouro ali presente. O desespero do homem, e sua esperança em saber se verá sua amada no além-mundo, o faz supor – em um improdutivo diálogo com a ave macabra – coisas inimagináveis para alguém que não está à beira de um surto psicótico. O ambiente soturno e enigmático, somado à melodia dos versos, – com a eficiência de uma adaga afiada – rasgam sem compaixão o leitor.

O conto O Gato Preto (1843), como toda a sua obra, transborda polissemia – abrindo margem para inúmeras interpretações, da cética à fantasia exacerbada. Entretanto, creio que o ponto central da obra é a aflição, e o sentimento de derrota, do alcoólatra – que sabe ser dependente, e não consegue conter o vício, mesmo com toda a catástrofe dele decorrente. Tudo isso o faz afirmar categoricamente: “Pois que doença pode comparar-se ao álcool!”. [3] Edgar Allan Poe – O Gato Preto e outros contos, Contos reunidos, Editora Pé da Letra 2020, Página 116   Ao analisar a estrutura do conto, fica claro que o autor quis conscientemente entregar, ao leitor, um narrador com um discurso, desordenado e confuso, ao qual mostrasse a sua embriaguez.

Em seu conto, O Coração Delator (1843), o personagem, irritado pela feiura do olho cego de um velho, decide matá-lo; nos parágrafos que se seguem, uma taquicardia aterradora o toma, e, posteriormente, um zumbido no ouvido o atormenta – características típicas de um Transtorno de Ansiedade. O personagem não percebe que um profundo remorso, a priori, já estava presente em sua psique; a tensão e o sentimento de participação do leitor nos acontecimentos são impressionantes. A técnica literária central desse conto é o uso de diversos parágrafos curtos com construções de frase impactantes, e termos cirúrgicos, sem perder a cadência – o que nos induz a embarcar na ansiedade do narrador, dando a sensação de que estamos dividindo aquela inquietação, padecendo juntos.

Para além dos inúmeros recursos estilísticos que nos fazem mergulhar na amálgama de impressões e sensações do personagem, o que não foi percebido – pelo menos até onde tenho conhecimento – foi o fato de que Edgar Allan Poe, por acidente, nos mostrou rebuscadamente a “sombra” – do qual falava a psicologia analítica de Carl Jung (1875 – 1961) -, isso muito antes do próprio nascimento do psiquiatra suíço. O terror e o suspense de Edgar Allan Poe nada têm de supersticioso ou sobrenatural – eles são radicalmente objetivos. Sua obra, na verdade, é sobre o que de fato nos aterroriza cotidianamente: a natureza humana!

References

References
1 Os Simpsons – A Casa da Árvore dos Horrores, Temporada 2, episódio 3, FOX, 1990.
2 O Corvo, Relativity Media 2012, Direção James McTeigue.
3 Edgar Allan Poe – O Gato Preto e outros contos, Contos reunidos, Editora Pé da Letra 2020, Página 116
Vinícius Barbosa

Vinícius Barbosa, natural de São Paulo – SP. Analista político, estudante autodidata de filosofia, com foco em ética, epistemologia e filosofia política.

Assine nossa Newsletter!

Assine nossa newsletter por e-mail para receber artigos úteis e ofertas especiais.


    Tags populares

    #4discursos#8m#actante#Adolescente#AlainPeyrefitte#AlfredKinsey#Alienação#AltaCultura#Amadeus#AmãodeDeus#Amlet#AnaCampagnolo#Analiseliteraria#Anime#AntonioGramsci#AntonioMazzeo#Antoniorago#Antropologia#aparelhosprivadosdehegemonia#Aristoteles#Arte#artedopossivel#Artes#Artesacra#Autoridade#Beleza#biografia#Blackclover#Bleach#Boecio#Boitempo#Bokunohero#BradPitt#Brasil#Brasilparalelo#burguesia#burke#CapitalIntelectual#CapitalSocial#Caridade#CarlJung#Celsofrederico#Certeza#Chesterton#cidadania#circulodelatencia#COF#comunismo#Confiança#consciência#consciente#conservador#conservadorismo#convicção#CornelioFabro#Cornu#Cosmologia#Cosmos#Cratologia#Crianças#cristianismo#Cristo#Critica#cultura#CulturaOriental#CulturaPop#cursoonlinedefilosofia#Dalila#Deathnote#decadialetica#DecioSaes#democraciaracial#Depressão#Desenvolvimentosocioeconômico#Deus#dialetica#Dialeticasimbolica#DiaM#Dianabarros#Direita#discursivo#discurso#Divorcio#Dostoievski#Drama#EdgarAllanPoe#Edithstein#edmundhusserlcontraopsicologismo#Educação#Educaçãodomiciliar#ego#Epistemologia#epistemologiafilosofica#eraumavez#Ericvoegelin#escoladefrankfurt#Escolastica#Espírito#esquerda#Estado#Eternidade#Etzel#Evidência#Existencialismo#extremadireita#fantastico#Fariasbrito#fascismo#FaustoZamboni#Fé#feminismo#Filmes#Filosofia#FilosofiadoDireito#FilosofiadoValor#Filosofiapolítica#Filosofiatransconsciêncial#FrançoisLecoutre#FriedrichEngels#Frodo#Gênero#GeorgeOrwell#Gilbertofreyre#GordonAllport#Gramsci#Greimas#GyörgyLukács#HannahArendt#HansKelsen#Hegel#Heidegger#Histericos#Homem#Homemcomum#Homeschooler#ideologia#Igreja#Iluminismo#Império#inconsciente#Índice#IndústriaCultural#integralismo#intelectualidade#Inteligência#Inteligenciaemocional#inteligenciaeverdade#introduçãoaolavodecarvalho#Intuição#IstvánMészáros#ItaloMarsili#IvanIllich#Jakobwassermann#Japão#Jardimdasaflições#Jaspers#Jeancalvez#JeanJacquesRousseau#Joãocamilo#jornalcultural#josepaulonetto#JrrTolkien#JuanCruzCruz#JudithButler#JulianMarias#jusnaturalismo#juspositivismo#Kant#KarlMarx#KateMillett#Kierkegaard#kirk#Kollontai#korsch#Lavelle#Leiseternas#leisontologicas#LeonardoDicaprio#LeszekKolakowski#Libidodominandi#linguagem#Literatura#logoi#Logoterapia#LouisLavelle#Lukács#Luke#Mangá#Maquiavel#MargaretSanger#MaríliaMoschkovich#Marioferreira#Marlyviana#Marx#marxianos#marxismo#marxistas#marxologos#maturidade#Maurizius#Mentalidaderevolucionaria#Meszaros#Metafisica#metafisicacarvalhiana#midcult#Mídia#Midiasemmascara#Mídiassociais#Milosforman#Mito#Mozart#Mundo#NancyFraser#Nãoolheparacima#narrativo#Naruto#Natal#Naturezahumana#negacionista#neocon#neofascismo#Netflix#Nietzsche#Niilismo#Ocorvo#Ódio#Ogatopreto#ohobbit#Ohomemdonorte#Olavodecarvalho#OliveiraViana#OminimosobreOlavodeCarvalho#Ontologia#ONU#OrtegayGasset#ortodoxia#osenhordosaneis#OSilmarillion#Oswaldspengler#Otaku#Pais#pandemia#PaoloSorrentino#Pascoa#passado#Patronato#PedroLombardo#Peirce#pentadialetica#perelman#Personalidade#perspectivarotatoria#Poder#Podermoderador#Pólis#Ponerologia#popular#Portugal#práxis#presençadoser#Programanarrativo#Prudencia#Psicologia#Raskólnikov#Raymondaron#reacionarismo#realidade#realidadebrasileira#ReneGuenon#República#RevistaVeja#Revoluçãosexual#RicardoAntunes#RobertdeNiro#RobertEggers#RonaldRobson#Rosaluxemburgo#Rosenstock#Rubel#sabedoriadasleiseternas#Sacerdotes#Sade#Sansão#SantoTomásdeAquino#Semantica#SeminariodeFilosofia#Semiótica#sensocomum#SentidodaVida#Ser#Sereconhecer#Simba#Simbolo#SimonedeBeauvoir#sinceridade#Sleepers#soberba#sociedade#Sociologiadotrabalho#Stalin#Susannelanger#Tarantino#Temperamentos#TeoriadasDozeCamadas#texto#The WalkingDead#TheodoreDalrymple#tiagoamorim#TimLahaye#TokyoGodfathers#Tolkien#Tradição#Transcendente#TratadodosValores#travesti#Tribos#Triplaintuição#Trivium#Tzvetantodorov#Umanel#Unamuno#universidade#utilitarismo#Valor#Verdade#Vida#VidaIntelectual#Videeditorial#Vieira#ViktorFrankl#VirgíniaFontes#Vontadeintelectual#weilAndrewLobaczewskiAxiologiaCruzPadreBobbySimbolismoVIsalãodolivropolítico